quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O intervalo..

Há dias o meu vizinho foi lá a casa e conversa para lá, conversa para cá, começou a falar-me de como era a vida amorosa dele há 20 anos atrás, altura em que começou a namorar com aquela que se tornou anos mais tarde, sua esposa.
Eu já tinha uma ideia de que as coisas eram da maneira que ele disse, mas não tão más como ele mostrou serem.
É demasiado mau (e só estou a imaginar), namorar e ter que ter sempre alguém ao lado  a mãe, ou o pai, ou a tia ou a avó, a controlar. Querer sair e lá ter que ir de novo alguém para pôr as coisas na ordem.
Até mesmo o simples facto de querer namorar com ela, ter que estar sujeito a uma espécie de avaliação por parte da família e de uns quanto avisos do pai. Para quê? Por que é que tinha que ser assim? As coisas faziam-se na mesma. Se não eram como deviam ser, eram às escondidas, o que para mim é bem pior....
E como é que em 20 anos, as coisas mudaram tanto? Eu conheço uma miúda com onze anos, que tem um grupinho de amigos também por essa idade. Eles saem à noite, sozinhos. Repito, sozinhos! A miúda muda de namorado conforme o penteado. Mas atenção, são namoros a sério. Não é como no meu tempo, que era tudo uma brincadeira. Aquilo é mesmo a sério, que estes meus dois olhinhos já viram (e gravaram tal imagem deprimimente).
Com o avanço que estes miudos levam, não consigo entender como estará o mundo daqui a mais 20 anos.
Acho que posso estar muito grata por ter nascido e por estar a viver nesse intervalo, onde ainda é tudo mais ou menos normal.
Mais ou menos... Mas vá podia ser pior!

3 comentários:

Rita da Maçaroca disse...

Ahahahhah
Se viste as mesmas coisas deprimentes que eu vejo todos os dias... Bem... Dou-me por orgulhosa por ainda ser bem ajuizada no meio desta ganapada toda...
:S

Pocahontas na Cidade disse...

Acho que tivemos sorte na geração que nascemos... Nem oito nem oitenta...

Com 14 anos já sabem o ABC todo!

Walker Woman disse...

Cada vez mais a infância tem os dias contados :X

Beijito!*